Skip to content

5 Fábulas Infantis: as Fábulas de Esopo

fabulas de esopo

Fábulas adequadas para crianças a partir dos 4 anos: fácil entendimento e com mensagens educativas claras.

Compartilhe este Conteúdo:

As Histórias de hoje:

  • Para crianças a partir de 4 anos de idade.
  • Quem foi Esopo: Esopo foi um antigo fabulista grego conhecido por suas fábulas curtas, que usavam animais e objetos para ensinar lições morais simples.
  • Ensinamento: Esopo, através de suas fábulas, buscava transmitir ensinamentos morais e éticos de maneira simples e acessível.

O Galo e a Pérola

O Galo e a Pérola

Andava um Galo a esgravatar no chão, para achar migalhas ou bichos que comer, quando encontrou uma pérola. Exclamou:

— Ah, se te achasse um joalheiro! A mim porém de que vales? Antes uma migalha ou alguns grãos de cevada.

Dito isto, foi-se embora em busca de alimento.


MORAL DA HISTÓRIA

Os ignorantes, desprezando os ensinamentos valiosos e a moral oculta nas Fábulas, agem como este Galo; buscam coisas insignificantes, como cevada e migalhas.


O Lobo e o Cordeiro

Estava um Lobo a beber água num ribeiro, quando avistou um Cordeiro que também bebia da mesma água, um pouco mais abaixo. Mal viu o Cordeiro, o Lobo foi ter com ele de má cara, arreganhando os dentes.

— Como tens a ousadia de turvar a água onde eu estou a beber?

Respondeu o cordeiro humildemente:

— Eu estou a beber mais abaixo, por isso não te posso turvar a água.

— Ainda respondes, insolente! — retorquiu o lobo cada vez mais colérico. — Já há seis meses o teu pai me fez o mesmo.

Respondeu o Cordeiro:

— Nesse tempo, Senhor, ainda eu não era nascido, não tenho culpa.

— Sim, tens — replicou o Lobo —, que estragaste todo o pasto do meu campo.

— Mas isso não pode ser — disse o Cordeiro —, porque ainda não tenho dentes.

O Lobo, sem mais uma palavra, saltou sobre ele e logo o degolou e comeu.


MORAL DA HISTÓRIA

Esta Fábula claramente ilustra que a justiça e a razão muitas vezes não são suficientes para proteger o inocente de um inimigo poderoso e cruel. Em muitas comunidades, há indivíduos sem motivo justo que prejudicam os vulneráveis, alimentados apenas por ódio ou maldade.


O Cão e a Carne

Um Cão levava na boca um pedaço de carne, e, ao atravessar um rio, vendo a carne refletida na água, pareceu-lhe esta maior e soltou a que levava nos dentes para apanhar a que via dentro de água. Porém, como a corrente do rio arrastou a carne verdadeira, com ela foi também o seu reflexo, e ficou o Cão sem uma e sem outro.


MORAL DA HISTÓRIA

Este cachorro representa a ganância de pessoas que, por quererem mais, arriscam o que têm e acabam perdendo tudo. É como diz o ditado: é melhor ter um pássaro na mão do que dois voando.


O Cavalo e o Leão

o cavalo e o leão

Um Leão viu um Cavalo a pastar num outeiro, e pensando numa maneira de o matar para o comer, chegou-se com palavras de amigo, dizendo que era médico e se queria que o curasse. O Cavalo, que o conheceu e percebeu a sua intenção, disse com
dissimulação:

— Na verdade, amigo, vens em boa altura, que tenho nesta pata uma dor que muito me faz sofrer.

O Leão aproximou-se para lhe ver a pata, e o Cavalo levantou-a e assentou-lhe um coice no queixo, que o deixou atordoado. Voltando a si, o Leão viu que o Cavalo já ia longe, e disse:

— Por certo que fez bem em me ferir e ir-se embora, pois eu queria comê-lo e não curá-lo.


MORAL DA HISTÓRIA

Para aqueles que tentam enganar e roubar os outros, fingindo saber fazer coisas que nunca aprenderam, muitas vezes acabam como este Leão, machucados e recebendo críticas severas. Tentar vender algo que não sabem é como roubar.


As Árvores e o Machado

Um Machado de aço bem forjado, faltando-lhe o cabo, via-se impedido de cortar. As árvores disseram então ao Zambujeiro que lhe desse o cabo. E logo que o Machado ficou encavado, um homem começou com ele a fazer madeira e a destruir o arvoredo.

Disse então o Sobreiro ao Freixo:

— A culpa é nossa, que demos cabo ao Machado para nosso mal, porque, se não lho déssemos, seguras poderíamos estar em relação a ele.


MORAL DA HISTÓRIA

Se você vê alguém que não pode te machucar, não o faça mais forte nem lhe dê jeito de se defender, se ele estiver sem defesas. É bom perdoar quem te faz mal, mas não seja bobo de ajudar tanto que ele possa te machucar de novo depois.

Contar Históriacrianca 4 anosFábulasHistória para CriançaTodas as Idades

Quem Escreveu:

Tia babona que brinca junto! Dentista nas horas vagas.

Nenhum comentário

Este Artigo Possui 0 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top
Search